jump to navigation

Tudo o que você precisa saber sobre o colesterol – Plano de Saúde RJ September 23, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Saúde.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Temido por muita gente e sempre associado a enfartes, o colesterol também é uma substância necessária ao nosso organismo. É que ele ajuda na síntese de estrogênio, androgênio e progesterona (hormônios responsáveis pelas características sexuais), vitamina D, ácido biliar, etc.

Então, como não podemos brincar com a saúde, seguem algumas questões que você tem que saber!

O que é o colesterol?
Quimicamente, o colesterol é um álcool, mas ele só consegue circular pelo corpo grudado em moléculas chamadas lipoproteínas, que podem ser de dois tipos: LDL, o famoso mau colesterol, que tem baixos níveis proteicos, e o HDL, com grande quantidade de proteína, é conhecido como bom colesterol por ser responsável por eliminar o excesso de LDL do sangue. Os alimentos ricos em gordura saturada (carne vermelha, queijos amarelos, ovos, doces e frituras) são os maiores responsáveis por altos índices de colesterol.

Por que provoca doenças?
Quando há muito colesterol no sangue, ele se acumula nas paredes das artérias, o que faz com que elas fiquem estreitas e o fluxo sanguíneo para o coração seja bloqueado ou reduzido. O sangue é responsável por carregar oxigênio para o coração e, se uma quantidade suficiente não consegue chegar lá, você pode ter dores no peito. Se o suprimento de sangue para uma parte do coração for totalmente bloqueado, a consequência é um enfarte.

Colesterol alto provoca sintomas?
O colesterol alto por si só não acarreta nenhum sintoma. Por isso, muitas pessoas nem imaginam que estão com esse problema. Portanto, é preciso descobrir qual o nível do seu colesterol consultando um médico e fazendo exames de sangue periódicos. Se estiver alto, baixá-lo é essencial, pois reduzirá o risco de desenvolver uma doença do coração. O índice ideal de colesterol total é de até 200 mg/dl, sendo que o LDL precisa ser menor do que 160 e o HDL acima de 40 para homens e 50 para as mulheres. Esse valor é padrão para adultos saudáveis e, se você tem diabetes ou possui mais de dois fatores de risco (fumante, hipertenso, obeso ou tem histórico familiar), só o médico poderá lhe dizer qual é o seu índice ideal. Qual é o tratamento?
O principal objetivo é baixar o nível de LDL e elevar o HDL. Para diminuir o colesterol, o mais importante é ter uma dieta saudavel, praticar atividade física regularmente e manter o peso ideal. Algumas pessoas podem também precisar de medicação. Nesse caso, as estatinas ainda são a melhor pedida. Elas bloqueiam a síntese de colesterol no fígado e, com isso, disparam a demanda dessa substância. O resultado é um aumento dos receptores de LDL, que acabam tirando o colesterol ruim de circulação. Mas esse é só um exemplo de medicação, existem outros tipos que somente o seu médico saberá indicar, ok?

Tem como prevenir?
Claro que sim. Essa é a melhor forma de manter longe esse inimigo das artérias. Pra isso, é preciso:

– Ter uma vida mais ativa, principalmente fazendo exercícios aeróbicos. Procure seu médico e em seguida um professor de educação física.

– Não fumar. Tente parar logo se for o seu caso, pois o cigarro lesa as paredes dos vasos.

– Manter o peso dentro da faixa ideal. Fazer avaliações físicas é uma ótima pedida.

– Dar preferência às margarinas com fitosterol, que reduzem pra valer a absorção do colesterol ruim.

– Reduzir o consumo de carne vermelha. Que tal substituí-la por peito de frango ou peixe?

– Preferir os queijos brancos em vez dos amarelos.

Alguns alimentos são, comprovadamente, benéficos para ajudar no equilíbrio dos índices do colesterol. Confira a seguir:

Aveia: pelo fato de conter fibras solúveis, ela ajuda a tirar o colesterol de circulação, eliminando-o pelas fezes.

Soja: a proteína dela faz os receptores do fígado atraírem a gordura e as isoflavonas combatem a formação da placa. Os fitosteróis competem com o colesterol, diminuindo sua absorção.

Antioxidantes: encontrados nas frutas e verduras ricas em vitaminas C, E e betacaroteno (como laranja, manga, mamão, beterraba, etc), eles impedem a oxidação do LDL.

Gorduras do bem: conhecidas como mono e poli-insaturadas. As mono reduzem o colesterol total sem alterar o HDL e são encontradas em oleaginosas, azeitona e abacate. As poli diminuem a produção do colesterol e estão presentes em nos óleos vegetais.

Quando o assunto é o colesterol, o que vale é ter atenção desde sempre. Muitas pessoas só se ligam nisso depois dos 40 anos, quando já pode ser tarde. Ter uma rotina saudável, consultar sempre o médico e abandonar o cigarro são essências na luta contra o colesterol, não se esqueça!

Fonte: Clique Saúde

Advertisements

Entenda melhor a Tireóide – Plano de Saúde Rio September 22, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Saúde.
Tags: , , , , , , ,
add a comment

Certamente você já escutou falar ou sofre de hipo ou hipertireoidismo. Uma das conseqüências desta doença está na variação de peso. Algumas pessoas, dependendo do nível do problema, chegam a ganhar 10% do seu peso. Para que você fique por dentro deste assunto, confira!

O que é – A tireóide é uma glândula que fabrica hormônios (T3, T4 e TSH). Eles são responsáveis por regular o processo de fornecimento de energia para as células do corpo e sem eles o organismo não sobrevive.

A questão do peso – A tireóide estimula o metabolismo e, conseqüentemente, o gasto energético. Assim, quando está funcionando menos, o gasto calórico é menor e vice-versa.

Os tipos – Existem dois tipos de disfunção:

Hipotireoidismo, quando a glândula funciona menos que o necessário. Neste caso, a alteração de humor, o aumento do cansaço, distúrbios de sono, queda de cabelo, esquecimento, intestino preso, inchaço e diminuição da libido são comuns. O ciclo menstrual também pode ser alterado e a doença pode acarretar outros problemas, como a anemia. O tratamento é feito através da reposição hormonal.

Hipertireoidismo, quando a glândula trabalha mais do que deveria. Os sintomas são inversos: Agitação, irritabilidade, aumento da freqüência de evacuação, taquicardia e tremor das mãos. A longo prazo, pode causar arritmias cardíacas, diminuição da massa magra (músculos) e da massa óssea. O tratamento vai depender da intensidade da doença, podendo ser através de medicamentos, iodo radioativo e até cirurgias.

Fonte: Clique Saúde

Hipertensão – Plano de Saúde Rio September 21, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Saúde.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

O que é ?

A hipertensão arterial é uma doença crônica degenerativa mais comum em nosso meio e a uma maior chance de desenvolver complicações, tais como acidente vascular cerebral (derrame), infarto do miocárdio e insuficiência cardíaca.

Existem dois tipos de hipertensão arterial (HA): hipertensão primária e secundária. A HA primária caracteriza por não haver uma causa conhecida , enquanto a HA secundária, onde é possível identificar-se uma causa para a hipertensão, como por exemplo problemas renais , problemas na artéria aorta, tumores (feocromocitoma) e algumas doenças endocrinológicas.

Todas as pessoas, mesmo que não sintam nada, devem verificar a pressão com seu médico pelo menos uma vez por ano.

Causas

É um problema que afeta homens e mulheres. Sabe-se que, além da herança familiar, hábitos como comer muito sal, viver com estresse, estar com peso acima do ideal, não fazer exercícios e tomar bebidas alcoólicas em excesso, também ajudam a pressão a subir. Assim, evitando-se estes fatores pode-se evitar a hipertensão, mesmo quando existir a tendência hereditária.

Como já colocado, para a maioria dos casos de hipertensão não é possível identificar a causa. Uma boa orientação é conscientizar o paciente hipertenso de que não há cura, mas sim um controle adequado de sua pressão arterial. A exceção a esta regra seriam aqueles casos de hipertensão secundária, onde é possível identificar-se a causa, na maioria das vezes passível de tratamento, em tese, possível a cura.

Existem alguns fatores que definidamente interferem aumentando os níveis tensionais, por exemplo, o hábito de fumar, o uso de bebidas alcoólicas, a obesidade, o ‘stress’ e a ingestão excessiva de sal. O controle destes fatores é de extrema importância para pressão arterial e devem ser valorizados

Descrição

O coração bombeia o sangue através de canais chamados artérias e arteríolas. Estes tubos levam o sangue para todas as partes do corpo. Quando o sangue é bombeado através das artérias, ele é empurrado contra suas paredes; esta pressão do fluxo sangüíneo é chamada pressão sangüínea arterial ou simplesmente pressão arterial.

A pressão arterial varia em diferentes horas do dia e durante as diferentes atividades. A tendência é que ela diminua durante o sono e aumente quando o indivíduo estiver nervoso, aborrecido ou quando estiver fazendo exercícios. A pressão deve ser medida enquanto a pessoa estiver sentada ou deitada.

Se a largura interna das artérias diminuir, haverá maior dificuldade para o sangue passar, e o coração terá que trabalhar mais para bombear o sangue. Assim, com o tempo, o coração vai sendo prejudicado.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito através da medida da pressão arterial, com a ajuda de um esfigmomanômetro. Existem alguns fatores que alteram a pressão arterial, portanto uma medida isolada da pressão arterial não é suficiente para tal diagnóstico, sendo necessário, quando da suspeita de HA, várias medidas em momentos diferentes do dia. Hoje já existe disponível um sistema de monitorização ambulatorial da pressão arterial, o MAPA, que torna mais fácil e certo o diagnóstico da HA, no qual alguns pacientes são submetidos durante 24 horas à medida sistemática de sua pressão arterial, durante as várias atividades de seu dia, quando houver a necessidade de indicação médica precisa.

Em termos de valores de pressão arterial, considera-se como normais os valores até 140 para a pressão arterial sistólica ( ou “máxima”) de até 90 para a pressão diastólica (“ou mínima”). A partir destes valores até 159/94 classificam-se como hipertensão limítrofe, e como hipertensão definida os níveis pressóricos superiores ou iguais a 160/95. Apesar destes critérios, sabe-se que quanto maior a pressão arterial (sistólica ou diastólica) maior será a mortalidade e as complicações associadas.

Sintomas

O risco de derrame cerebral, problemas renais e insuficiência cardíaca congestiva aumenta, podendo inclusive afetar a irrigação sangüínea dos olhos (retina). Se comparadas às pessoas com pressão normal, as pessoas com hipertensão não controlada correm o triplo de risco de desenvolver ataque cardíaco congestivo e sete vezes de ter um derrame cerebral.

Ter pressão alta, não é igual a ter ‘problema de coração’, mas pode ser o primeiro passo. O indivíduo hipertenso tem de três a cinco vezes mais chances de apresentar um acidente vascular cerebral ( derrame ), duas a três vezes mais chance de desenvolver cardiopatia isquêmica (doença das artérias coronárias como angina ou infarto), três vezes mais chance de desenvolver claudicação intermitente ( dor em membros inferiores ao caminhar, secundária a obstrução de alguma artéria), e quatro vezes mais chance de desenvolver insuficiência cardíaca ( falha do coração como bomba, levando a falta de ar ) do que o indivíduo normotenso. Portanto, com um bom controle da pressão arterial é possível a prevenção de muitas doenças do sistema cardiovascular.

A hipertensão arterial ou pressão alta é um fator de risco muito traiçoeiro. Ela ataca devagarinho, sem sintomas, você só nota as conseqüências.

O coração fica sobrecarregado, passando a trabalhar mais até perder sua capacidade de contração. A pressão sobre as artérias provoca dificuldades para a circulação do sangue.

Associada a outros Fatores de isco, seus perigos são ainda maiores.

Uma pressão mais alta que 14 por 9 duas vezes em dias diferentes evidencia a hipertensão

Lembre-se, a orientação médica pode salvar a sua vida!

Tratamento

O tratamento pode ser medicamentoso e não- medicamentoso. Qualquer que seja a opção, é muito importante obter-se a adesão continuada do paciente às medidas recomendadas.

ecomendações não farmacológicas úteis no tratamento da hipertensão arterial:

Tratar a obesidade como principal objetivo;
eduzir a ingestão de sal para no máximo 5 g por dia;
Aumentar a ingestão de frutas e verduras, para obter maior ingestão de potássio;
Limitar a ingestão de álcool a menos de 40mg por dia ( i.e. 1 cerveja ou 1/2 garrafa vinho ou 1 dose de destilado );
ealizar exercícios físicos regularmente;
eduzir a ingestão de gorduras saturadas e carboidratos refinados;
Parar de fumar.

Do ponto de vista medicamentoso, existe uma gama de medicações eficazes no controle da hipertensão, cabendo ao seu médico a escolha de uma ou mais drogas, de acordo com a gravidade e com as patologias associadas . É fundamental que o tratamento medicamentoso seja feito sob orientação médica.

Alimentos a serem evitados: Enlatados, presunto, mortadela, salsicha, lingüiça, carne de sol, chocolate, maionese, frituras, alimentos muito salgados e refrigerantes normais ou diet.

Exercícios físicos

Uma forma agradável de se cuidar. Atividade física fortalece o seu organismo e relaxa, pois faz com que você se distraia. Além disso, ajuda a reduzir o triglicérides, o colesterol, combater o diabetes e a obesidade. Praticando exercícios regularmente (no mínimo 3 vezes por semana) você diminui bastante os riscos de pressão alta. Algumas pessoas até deixam de ser hipertensas apenas com práticas de exercícios.

Obs: Se você for caminhar… Comece com caminhadas de 15 a 30 minutos diários de uma vez ou dividido em 3 vezes de 10 minutos ao dia.

Quem tem maiores chances de ter hipertensão?

A pressão alta ou hipertensão pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum nos adultos e nos idosos. Além disso:

É mais freqüente na raça negra
Aumenta com a idade
É mais comum em homens com até 50 anos
Em mulheres após os 50 anos
Ocorre mais em diabéticos
Principalmente em pessoas que já tiveram casos na família

Fonte: Clique Saúde

Gravidez natural para soropositivos,é possivel? – Plano de Saúde RJ September 20, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Saúde.
Tags: , , , , , , ,
add a comment

Em condições controladas com ajuda médica, é possível um casal soro discordante para o HIV (quando um é positivo e o outro negativo) ter uma criança livre do vírus. Com base nisso, especialistas consultados pela Folha de S.Paulo apoiam a gravidez de pessoas que são soropositivas.

A publicação informou ontem que o Ministério da Saúde elabora um documento de instrução sobre o tema.

Leia a seguir a reportagem publicada nesta quarta-feira.

Médicos apoiam gravidez natural para soropositivos

Risco de transmissão do vírus é quase zero em condições controladas, dizem infectologistas

FERNANDA BASSETTE

DA REPORTAGEM LOCAL

Especialistas em AIDS apoiam a intenção do governo de orientar soropositivos que querem ter filhos a engravidar naturalmente, desde que respeitem condições específicas.

Reportagem publicada ontem pela Folha informou que o ministério elabora um documento para ser apresentado em junho que instrui esses casais sobre a forma mais segura de reprodução natural.

De acordo Andrea da Silveira Rossi, consultora indicada oficialmente pelo ministério para falar sobre o tema, a estratégia de redução de riscos inclui: fazer sexo desprotegido na data exata do período fértil; estar com a carga viral baixa; ter o CD4 (células de defesa) elevado e não ter outras doenças.

“Pessoas com HIV podem ter filhos. A transmissão depende da quantidade de vírus presente no sangue. Se a carga viral estiver baixa e a doença, rigorosamente controlada, o risco de transmissão é praticamente zero”, afirma o infectologista Ésper Kallás, professor da USP.

Segundo Kallás, estudos internacionais envolvendo gravidez de casais em que apenas um tinha o vírus não detectaram transmissão -o que reforça a tese de que, em casos especiais, o risco é mínimo.

“Isso é tão verdade que a Suíça, por exemplo, abre a possibilidade de casais com a carga viral controlada não precisarem usar CAMISINHA em todas as relações sexuais”, diz Kallás.

Juvêncio Furtado, membro do comitê de HIV/AIDS da Sociedade Brasileira de Infectologia, diz que nos últimos dois anos atendeu seis casais nessas condições. “Nenhum parceiro se contaminou e todos os bebês nasceram saudáveis.”

Mas tanto Kallás quanto Furtado reforçam que a orientação não pode ser generalizada. “Não dá para os pacientes tomarem a decisão sozinhos. É preciso ter certeza de que essa é a melhor solução”, diz Kallás.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse ontem que ainda não tomou uma decisão sobre o documento . “O que nós queremos é que todas as brasileiras que queiram ter filhos os tenham em condições seguras para si e para os seus bebês”, afirmou. “Mas ainda não há nenhuma definição de como isso vai ser feito.”

Colaborou a Sucursal de Brasília

Fonte: Clique Saúde

Bulimia – Plano de Saúde September 19, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Saúde.
Tags: , , , , , , , , ,
add a comment

O que é a bulimia?

É o transtorno alimentar caracterizado por episódios recorrentes de “orgias alimentares”, no qual o paciente come num curto espaço de tempo grande quantidade de alimento como se estivesse com muita fome. O paciente perde o controle sobre si mesmo e depois tenta vomitar e/ou evacuar o que comeu, através de artifícios como medicações, com a finalidade de não ganhar peso.

Generalidades

Existe uma tendência popular em achar que a bulimia é o contrário da anorexia. A rigor o contrário da anorexia seria o paciente achar que está muito magro e precisa engordar, vai ganhando peso, tornando-se obeso e continua a julgar-se magro e continua comendo. Isso seria o oposto da anorexia, mas tal quadro psiquiátrico não existe. Na bulimia o paciente não quer engordar, mas não consegue conter o impulso para comer por mais do que alguns dias. O paciente com bulimia tipicamente não é obeso porque usa recursos extremos para eliminar o excesso ingerido. Enquanto a comunidade psiquiátrica mundial não reconhecer o binge como uma patologia à parte seremos obrigados a admitir que há 2 tipos de pacientes com bulimia: os que tentam eliminar o excesso ingerido por vômitos ou laxantes e os pacientes bulímicos que não fazem isso e acabam engordando, esse segundo tipo pode vir a constituir num outro transtorno alimentar, o Binge. Os pacientes com bulimia geralmente apresentam 2 a 3 episódios por semana, o que não significa que no resto do tempo esteja bem. Na verdade esses episódios só não são diários ou mesmo mais de uma vez ao dia porque o paciente está constantemente lutando contra eles. Esses pacientes pensam em comer o tempo todo. A média de fracassos na tentativa de conter o impulso são duas vezes por semana.

Como é o bulímico?

Basicamente é um paciente com vergonha de seu problema, com sentimento de inferioridade e auto-estima baixa. O paciente reconhece o absurdo de seu comportamento, mas por não conseguir controlá-lo sente-se inferiorizado, incapaz de conter a si mesmo, por isso vê a si como uma pessoa desprezível. Procura esconder dos outros seus problemas para não o desprezarem também. Quando existe um bom motivo como ganhar muito dinheiro o paciente pode até sujeitar-se a expor seu problema, como vimos no programa Big Brother primeira edição de 2002 na TV Globo. Os pacientes bulímicos geralmente estão dentro do seu peso ou um pouco acima. Tentativas de dieta estão sempre sendo realizadas. Tentativas de adaptar os afazeres e compromissos rotineiros com os episódios de ingestão e auto-indução de vômito tornam seu estilo de vida bizarro, pois os episódios devem ser feitos às escondidas, mesmo das pessoas íntimas. Uma alternativa para a manutenção de seu problema escondido é a opção pelo isolamento e distanciamento social, que por sua vez gera outros problemas. Assim como a anorexia a Bumilia geralmente ocorre no adolescente, predominantemente nas mulheres. Os assuntos das conversas preferidos são relacionados a técnicas de emagrecimento. É comum o comportamento de esconder alimentos para futuros episódios.

É interessante notar que a bulimia não constitui uma completa perda do controle. O paciente consegue planejar seus episódios, esperar para ficar sozinho e guardar alimentos, por exemplo. Essa incapacidade parcial é intrigante para os leigos. Muitas vezes os maridos das pacientes julgam que a paciente faz tudo porque quer e critica a esposa aumentando sua culpa. Essa atitude deve ser evitada, pois além de não ajudar, atrapalha diminuindo ainda mais a auto-estima da paciente que sucumbe aos esforços por tratar-se. A bulimia muitas vezes sucede aos episódios de anorexia.

Tratamento

Os antidepressivos tricíclicos já foram testados e apresentaram respostas parciais, ou seja, os pacientes melhoram, mas não se recuperam completamente. Carbamazepina e lítio também foram testados com uma resposta ainda mais fraca. Os antidepressivos IMAO também apresentam uma melhora similar a dos tricíclicos, porém melhor tolerado pelos pacientes por terem menos efeitos colaterais. Mais recentemente os antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina vêem sendo estudados com boas respostas, mas não muito superiores às dos tricíclicos. Os estimulantes por inibirem o apetite também apresentaram bons resultados, mas há poucos estudos a respeito para se embasar uma conduta terapêutica.
Muitos pacientes só com psicoterapias apresentam remissão completa. Não há uma abordagem especialmente recomendada. Pode-se indicar a psicanálise, a terapia cognitivo-comportamental, terapias de grupo, grupos de auto-ajuda, psicoterapias individuais.

Problemas Clínicos

Os repetidos episódios de auto-indução do vômito geram problemas noutros sistemas do corpo. Ao se vomitar não se perde apenas o que se comeu, mas os sucos digestivos também. Isso pode acarretar desequilíbrio no balanço dos eletrólitos no sangue, afetando o coração, por exemplo, que precisa de um nível adequando dessas substâncias para ter seu sistema de condução elétrica funcionante. As repetidas passagem do conteúdo gástrico (que é muito ácido) pelo esôfago acabam por ferí-lo podendo provocar sangramentos. Casos extremos de rompimento do estômago devido ao excesso ingerido com muita rapidez já foram descritos várias vezes. O intestino grosso pode sofrer conseqüências pelo uso repetido de laxantes como constipação crônica, hemorróidas, mal estar abdominal ou dores.

Fluoxetina no Tratamento da Bulimia

Acompanhamento prolongado da Bulimia Nervosa

Até o momento os estudos sobre o tratamento da bulimia têm se concentrado sobre o acompanhamento de curto prazo, havendo uma lacuna quanto ao acompanhamento prolongado desse transtorno recentemente descrito por ussel em 1979. Justamente por ser novo não se sabe ao certo que percentagens dos pacientes se recuperaram, que permaneceram sintomáticos ou que sofreram continuamente com esse distúrbio.

Método
Neste trabalho foram selecionadas e acompanhadas 222 mulheres com bulimia durante mais de 10 anos. No início do estudo elas apresentavam pelo menos 3 episódios por semana de ingestão exagerada, com vômitos em seguida, durante 6 meses consecutivos. No final do estudo uma paciente havia morrido, 22 não puderam ser localizadas, 22 desistiram de participar do estudo e 177 participaram. Deste total apenas 4 pacientes não preenchiam os critérios para bulimia completamente. Pelas análises estatísticas os resultados obtidos não foram prejudicados pela desistência das pacientes.

esultados
Depois dos 11,5 anos desde o início do acompanhamento, 11% continuavam plenamente sintomáticas, preenchendo os critérios para bulimia nervosa. Uma parcela de 18,5% apresentava distúrbios alimentares não classificados e 0,6% passaram a ter anorexia. O restante, 69,9% estavam completamente recuperadas e assintomáticas.

Conclusão
Estes resultados mostraram que a bulimia em quase um terço das pacientes pode se prolongar muito, comprometendo a qualidade de vida das pacientes. O estudo das características individuais mostraram que quanto mais prolongado o episódio de bulimia, maiores as chances de se cronificar. Contudo outros estudos não encontraram essa correlação, que também não se confirmou no presente trabalho. Correlações entre transtornos alimentares e sintomas depressivos, ou seja, a presença de outros transtornos psiquiátricos não agrava prognóstico da bulima.

Acompanhamento prolongado da Bulimia Nervosa

Até o momento os estudos sobre o tratamento da bulimia têm se concentrado sobre o acompanhamento de curto prazo, havendo uma lacuna quanto ao acompanhamento prolongado desse transtorno recentemente descrito por ussel em 1979. Justamente por ser novo não se sabe ao certo que percentagens dos pacientes se recuperaram, que permaneceram sintomáticos ou que sofreram continuamente com esse distúrbio.
Método
Neste trabalho foram selecionadas e acompanhadas 222 mulheres com bulimia durante mais de 10 anos. No início do estudo elas apresentavam pelo menos 3 episódios por semana de ingestão exagerada, com vômitos em seguida, durante 6 meses consecutivos. No final do estudo uma paciente havia morrido, 22 não puderam ser localizadas, 22 desistiram de participar do estudo e 177 participaram. Deste total apenas 4 pacientes não preenchiam os critérios para bulimia completamente. Pelas análises estatísticas os resultados obtidos não foram prejudicados pela desistência das pacientes.

esultados

Depois dos 11,5 anos desde o início do acompanhamento, 11% continuavam plenamente sintomáticas, preenchendo os critérios para bulimia nervosa. Uma parcela de 18,5% apresentava distúrbios alimentares não classificados e 0,6% passaram a ter anorexia. O restante, 69,9% estavam completamente recuperadas e assintomáticas.
Conclusão
Estes resultados mostraram que a bulimia em quase um terço das pacientes pode se prolongar muito, comprometendo a qualidade de vida das pacientes. O estudo das características individuais mostraram que quanto mais prolongado o episódio de bulimia, maiores as chances de se cronificar. Contudo outros estudos não encontraram essa correlação, que também não se confirmou no presente trabalho. Correlações entre transtornos alimentares e sintomas depressivos, ou seja, a presença de outros transtornos psiquiátricos não agrava prognóstico da bulima.

Eficácia da Fluoxetina no Tratamento da Bulimia Nervosa

O objetivo desse estudo foi avaliar a eficácia da fluoxetina no tratamento da bulimia nervosa com ou sem depressão. Para isso foram utilizados dois estudos paralelos, multicêntricos, duplo-cegos, randomizados controlados com placebo x fluoxetina. Os sintomas depressivos foram medidos pela escala de Hamilton durante o acompanhamento. A dose média de fluoxetina usada foi de 60mg. Este tratamento reduziu significativamente os episódios de binge e vômito auto-induzido após o binge. Não houve relação entre a melhora obtida e o grau de depressão inicial. Os autores concluíram que a fluoxetina é eficaz para o tratamento da Bulimia Nervosa, independentemente da presença de síndrome depressiva.

Sexualidade em Pacientes com Bulimia

Este trabalho levanta as histórias sexuais e reprodutivas de mulheres que haviam se recuperado ou estavam se recuperando de bulimia nervosa. De 48 pacientes femininas consecutivas, 43 foram estudadas por 10 a 15 anos após o tratamento inicial. No seguimento, 74% foram consideradas recuperadas e 26% mantiveram transtorno alimentar. Histórico de amenorréia foi comum (81%), 63% sem menstruação por um período superior a 1 ano.

As mulheres com bulimia nervosa são mais avaliadas sobre infertilidade quando estão em crise. As pacientes que sofrem de bulimia são sexualmente ativas, mas têm períodos de descontinuidade e perda de atividade sexual. Elas associam seu sentimento sexual com o peso corporal, gravidez, amamentação e o estado de seus relacionamentos.

Curtos períodos livres do comportamento bulímico estão associados com gestação e amamentação. O aborto ocorre mais freqüentemente. A prevalência de sintomas gravídicos desagradáveis, hiperemese gravídica e depressão pós-parto foi maior entre as mulheres que não haviam se recuperado do transtorno alimentar antes de tentar engravidar e reduz a prevalência de problemas ginecológicos e obstétricos.

Os resultados dos estudos mostram que tanto a bulimia quanto a anorexia, durante a gestação, prejudicam a saúde materna e fetal.

O peso corporal, o comportamento alimentar e controle de peso no início da gestação deveriam fazer parte do questionário obstétrico.

Fonte: Clique Saúde

Curta duração do sono está associada à obesidade, entre os jovens – Plano Shop Saúde September 16, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Alimentação.
Tags: , , , , , , , , , ,
add a comment

Um estudo publicado na edição de abril do Jornal de Saúde  Pública da Austrália e da Nova Zelândia indica que os adolescentes obesos têm piores noites de sono, comparados àqueles que apresentam peso  normal. De acordo com os pesquisadores, esses jovens são mais propensos a ir para a cama mais tarde e a dormir menos tempo do que os outros.

Avaliando, em diferentes dias da semana, os perfis de sono de mais de 3,8 mil jovens com idades entre nove e 18 anos, os especialistas descobriram que os obesos tinham pior qualidade de sono do que os participantes mais magros, principalmente aos domingos. Além disso, os resultados mostraram que as meninas dormiam mais – por irem para a cama mais cedo do que os meninos -, e que, à medida que ficam mais velhos, os jovens dormem menos.

Os pesquisadores destacam, porém, que ainda não está claro se há uma relação de causa e efeito, e quais seriam as razões da relação entre obesidade e os padrões de sono. “Os padrões de sono que descobrimos casam-se confortavelmente com a teoria de que curta duração do sono predispõe à obesidade, porém pode haver também um terceiro fator que contribui para sobrepeso e curta duração do sono”, explicam os autores. Esse terceiro fator, segundo eles, poderia ser o tempo gasto em frente à TV ou ao computador, ou ainda a falta de atividades físicas.

Fonte: Clique Saúde

Tomar muito refrigerante de cola pode piorar qualidade do esperma – Plano de Saúde RJ September 15, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Alimentação, Saúde.
Tags: , , , , , , , , ,
add a comment

Homens que bebem cerca de um litro de refrigerantes de cola todos os dias podem estar causando prejuízo para seus espermatozoides, segundo estudo dinamarquês publicado no American Journal of Epidemiology. Avaliando dados de mais de 2,5 mil homens jovens, os pesquisadores notaram que a contagem do esperma daqueles que consumiam essa quantidade da bebida era 30% menor, enquanto aqueles que não tomavam esses refrigerantes apresentavam sêmen de melhor qualidade – média de 50 milhões de espermatozoides por mililitro de sêmen – e tendiam a apresentar um estilo de vida mais saudável.

De acordo com os autores, apesar de a maioria das contagens de espermatozoides no estudo serem consideradas normais pelas diretrizes da Organização Mundial de Saúde, homens com menos espermatozoides geralmente têm maior risco de se tornarem inférteis. Porém os pesquisadores ainda não sabem se o consumo desses refrigerantes, por si só, pode ter esse efeito, ou se isso é parte de um conjunto de fatores ligados a um estilo de vida não saudável – aliado ao consumo excessivo de fast food e de menos frutas e verduras. Por isso, mais estudos são necessários.

Fonte: Clique Saúde

Hipertensão é principal causa de diálise – Plano de Saúde RJ September 14, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Saúde.
Tags: , , , , , , , , ,
add a comment

Nos últimos dez anos, a hipertensão passou a ser o principal problema que leva à diálise no Brasil, segundo dados de um censo feito pela SBN (Sociedade Brasileira de Nefrologia) com mais da metade das unidades de diálise de todo o país.

Em 1999, 17% dos pacientes que faziam o tratamento eram hipertensos. Em 2009, essa proporção subiu para 35%.

De acordo com Carmen Tzanno, membro da SBN, houve uma mudança no perfil do doente renal. Antes, o problema era causado principalmente por doenças infecciosas, e os jovens eram a maioria dos pacientes que faziam diálise. Hoje, dois terços dos pacientes que fazem o tratamento têm mais de 40 anos.

Segundo Tzanno, a melhora do acesso ao atendimento médico para tratar infecções contribuiu para a mudança. “Além disso, as pessoas com doenças crônicas vivem mais e, assim, têm mais tempo de vida para desenvolver outros problemas, como a doença renal.”

No Brasil, a segunda principal causa de doenças renais é o diabetes -27% dos pacientes que fazem diálise têm o problema. Nos Estados Unidos, essa é a principal causa.

Quando não são controlados, o diabetes e a hipertensão danificam os vasos sanguíneos, o que é especialmente prejudicial no caso do rim, órgão filtrador, como explica Paulo Luconi, presidente da ABCDT (Associação Brasileira dos Centros de Diálises e Transplantes).

“As doenças crônicas são altamente tratáveis. Mesmo para quem tem doença crônica renal, é possível postergar ou evitar a diálise com o acompanhamento correto”, diz o médico, também professor da Unifesp.

No total, o número de doentes renais que fazem diálise cresceu 81% entre 2000 e 2009. Para Luconi, os dados revelam uma “epidemia da doença renal” devido à piora dos hábitos de vida da população e ao crescimento da obesidade e do sedentarismo. “Aumentou o número de pacientes com doenças renais que fazem diálise, e esse número vai continuar a aumentar”, afirma.

Prevenção

Na quinta-feira (11), Dia Mundial do Rim, a SBN vai lançar uma campanha nacional para incentivar o controle do diabetes e o diagnóstico precoce da doença renal. A ideia é encorajar a triagem dos pacientes com diabetes e hipertensão para detecção de doenças renais e evitar que o paciente evolua até a insuficiência renal.

A identificação da doença renal é realizada por dois exames simples -um de urina, para ver se há perda de proteínas, e outro que mede uma proteína chamada creatinina no sangue.

Luconi recomenda que os pacientes peçam que seus médicos incluam os dois exames no checkup. “Eles são simples e baratos, mas muitos médicos deixam de fazê-los porque não ainda não existe uma cultura para prevenir ou detectar doenças renais.”

Fonte: Clique Saúde

O que é Medicina Ortomolecular? Plano de Saúde Rio September 12, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Saúde.
Tags: , , , , , , , ,
add a comment

Imagine dois vasos, cada um com uma planta. Num desses vasos você coloca qualquer terra, rega de vez em quando e deixa as coisas acontecerem ao acaso.

No outro vaso você coloca nutrientes apropriados na terra, põe o tipo de adubo adequado, na dose correta, rega com água periodicamente, protege do vento forte, expõe ao sol de modo controlado, retira as ervas daninhas, pulgões, fungos e outros agressores.

Em qual desses vasos a planta terá melhores condições de se desenvolver? Qual dessas plantas conseguirá crescer melhor, ter mais saúde, enfrentar os agressores do meio ambiente com mais êxito?

Claro que a do segundo vaso. E é assim que a Medicina Ortomolecular atua. São administrados complementos de vitaminas, minerais, ervas, e outras substâncias comprovadamente benéficas, com o objetivo de fornecer melhores condições ao organismo tanto para enfrentar as agressões do dia-a-dia quanto facilitar o tratamento médico convencional durante ou após uma doença.

Somos formados por substâncias químicas, que o tempo todo reagem umas com as outras visando por exemplo reparar as células, facilitar aos órgãos funcionar de modo harmônico, permitir com isso que nossas capacidades de manter a saúde e a vitalidade estejam num estado ótimo.

Essas substâncias químicas naturais constituem o grande arsenal que lanço mão para auxiliar as pessoas, são elas que permitem ao organismo exercer suas funções com excelência. São essas substâncias que são administradas de modo equilibrado, controlado e adequado às necessidades de cada pessoa.

Como Funciona?

Após alguns exames especializados, é possível inferir o nível de desgaste orgânico, as carências nos componentes químicos de que somos formados, e aí então, se necessário, inicia-se uma suplementação com substâncias que tem por objetivo principal manter o organismo no seu melhor estado.

O que busco então, é uma Medicina voltada para a saúde, para o bem estar, para a longevidade.

Quais as Vantagens?

Do modo como vejo as coisas, não basta estar sem doença, embora esse seja um objetivo importante e jamais esquecido. É preciso também buscar ativamente as melhores condições para se viver com plena vitalidade, bem estar, ânimo e disposição.

Precisamos ter um cérebro atuante, capaz de responder aos desafios do dia-a-dia.

Desejamos manter a memória em sua máxima capacidade.

Queremos um sono reparador, que permita ao organismo reparar o desgaste natural durante a noite.

Temos que dispor de um sistema digestivo em ótimo estado, capaz de absorver os nutrientes e eliminar boa parte das toxinas presentes nos alimentos.

Devemos possuir plena capacidade de responder aos agressores físicos (como as radiações ionizantes), biológicos (como as bactérias, fungos e vírus), químicos (como os metais pesados ou os poluentes que estão no ar e nos alimentos) e até mesmo aos pensamentos tóxicos.

Essas são as principais diretrizes de meu trabalho, e são em linha geral as grandes vantagens de quem mantém o organismo pleno de saúde e vitalidade.

Claro que não basta ingerir algumas substâncias para se alcançar esse estado. Muitas vezes alguns hábitos de vida devem ser modificados, como implementar a atividade física adequada, ingerir água na quantidade necessária, manter distância de substâncias tóxicas e também semear a mente com pensamentos positivos e otimistas.

O que percebi com muita clareza nos mais de 20 anos de prática médica, é que existe um grande paradoxo que pode ser utilizado a nosso favor. Muitos desses hábitos podem ser mais facilmente alcançados quando os desvios do organismo são corrigidos, quando substâncias tóxicas são retiradas.

Desse modo, podemos dar início a um belíssimo círculo virtuoso, aonde mente e corpo, funcionando melhor, facilitam as mudanças para hábitos de vida mais saudáveis, o que leva inexoravelmente a uma melhora no funciomamento da mente e do corpo.

Fonte: Clique Saúde

Novo iogurte previne câncer e doenças coronárias – Plano de Saúde Rio September 9, 2011

Posted by Plano Shop Saúde in Alimentação, Saúde.
Tags: , , , , , , , , , ,
add a comment

Santo iogurte

Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) produziram um iogurte que previne doenças coronárias, câncer de intestino e cólon, além de diminuir os níveis de colesterol ruim (LDL), prisão de ventre e intolerância à lactose.

A bebida previne as doenças porque agrega, além de bactérias típicas dos iogurtes, três microrganismos que fazem bem a saúde.

Fonte de fibras

O novo iogurte tem textura e sabor parecidos com o do iogurte comum, necessita dos mesmos cuidados de armazenagem e custa 30% mais caro. Feito com leite desnatado, também é light e fonte de fibras.

“Não existe no mercado um leite fermentado com um coquetel de benefícios tão grandes”, afirma o engenheiro agrônomo Ricardo Pinheiro, que desenvolveu o iogurte durante o seu duplo doutorado, feito na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP e na Universidade de Gênova (Itália).

Bactérias no iogurte

Iogurtes têm naturalmente as bactérias Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus, que, juntas, auxiliam quem tem prisão de ventre.

Algumas bebidas têm, além dessas, até duas bactérias que, quando administradas vivas e em quantidade adequada, conferem saúde as pessoas (probióticas).

O alimento produzido pela USP possui três bactérias probióticas além das comuns a todos iogurtes. Quando elas chegam ao intestino, tomam o espaço e alimento dos microrganismos indesejáveis que lá habitam e os eliminam.

Metabolismo complicado

Para a bebida fazer efeito, é necessário que todos as bactérias cheguem vivas ao intestino – e em uma concentração de 10 a 100 milhões de colônias de organismos por mililitro (ml) de produto.

Por isso, a maior dificuldade em fabricar o iogurte foi conseguir que, em um período de 35 dias, as bactérias não matassem umas às outras ao acidificar a bebida e competir por alimento.

“Manter a quantidade apropriada de bactérias é difícil”, diz Pinheiro. “O metabolismo de uma bactéria pode prejudicar outra. As do gênero Bifidobacterium, por exemplo, produzem ácido acético, fatal para os lactobacilos.”

Nutrientes

Para contornar essas dificuldades, Pinheiro estudou quais nutrientes cada bactéria necessitava e os produtos que excretava quando estavam sozinhas e em conjunto no leite.

Ele concluiu que a melhor solução era adicionar ao iogurte um açúcar chamado inulina, que é fonte de alimento para as bactérias e impede que algumas “morram de fome”.

Outras soluções foram colocar na bebida quantidades maiores dos microrganismos mais frágeis e envolvê-los com uma goma que os impedia de serem danificadas pelo metabolismo dos outros.

Segundo o pesquisador, o resultado agrada. “O produto é funcional e bastante aceitável ao paladar. Ele é mais caro, porém o benefício que traz é maior.”

O novo iogurte ainda precisa ser patenteada, para só depois começar a ser fabricado em escala industrial.

Fonte: Clique saúde